• Reunião Geral de dezembro acontece na quarta-feira, dia 13/12

     

    Home ReuniaoGeral Dezembro2017

     

    A Reunião Geral da Ciclocidade de dezembro, última de 2017, acontecerá na quarta-feira dia 13/12. Os pontos de pauta serão:

    • Lançamento do Fundo de Ações Locais, previsto para dia 25 de janeiro;
    • Apresentação da pesquisa realizada com ex-associados da Ciclocidade;
    • Avaliação sobre a 4ª Formação em Ciclomobilidade e sobre o início do canal de comunicação entre associadas e associados;
    • Resumo das contas de 2017;
    • Resposta à manifestação do GT Gênero sobre o caso do ex-diretor geral.

    Venha! As reuniões gerais da Ciclocidade são abertas a quem se interessar.

    Se você é pai ou mãe e precisa de estrutura para acolhimento de crianças, mande um email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. nos avisando, para podermos nos organizar.

    Reunião Geral de Dezembro
    Quarta-feira, 13/12, a partir das 18h30
    Na Ciclocidade - Rua Martins Fontes, 91, 11º andar - Centro

     

  • Convite: Este sábado (9/12), mapeamento colaborativo de vereadores

     

    vereadores

     

    Este sábado (9/12), Ciclocidade e Cidadeapé convidam você para um mapeamento colaborativo de vereadores da Câmara Municipal de São Paulo. Quem são os vereadores mais influentes? Quem são os que mais têm afinidades com a pauta da mobilidade urbana? Com quais destas e destes existe a possibilidade de diálogo?

    O mapeamento será feito na forma de oficina, de forma conjunta com interessadas e interessados, e tem como objetivo embasar as ações previstas em 2018 para o Grupo de Trabalho sobre o Legislativo mantido pelas duas associações.

    Precisamos muito da sua ajuda! Afinal, são muitos vereadores. Se interessou e pode vir? Confirme seu interesse mandando um email para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. com seu nome e telefone - a confirmação é mais para sabermos quantas pessoas teremos e preparar o espaço para recebê-las. Venha!


    Dinâmica do encontro

    • Introdução - Como funciona o dia-a-dia da Câmara
    • Pesquisa: o histórico de votação cada vereador em temas de mobilidade
    • Mapa de atores: Vereadores mais influentes
    • Mapa de atores: Vereadores mais próximos à mobilidade urbana
    • Análise da base eleitoral de vereadores em destaque


    Mapeamento colaborativo de vereadores
    Sábado (9/12), chegada às 9h, início pontual às 9h30
    Duração estimada do encontro: de 3 a 4 horas
    Na Ciclocidade - Rua Martins Fontes, 91, 11º andar

     

  • Vitória! Sociedade civil pressiona e dados de multas de infrações no trânsito de São Paulo agora podem ser acessados em detalhes

     

    CET

     

    A importante conquista deve ser creditada à insistência das organizações Ciclocidade e Cidadeapé, mas também a uma colaboração ativa do Poder Público

    Esta terça-feira (28/11), o site Painel Mobilidade Segura, da Prefeitura de São Paulo, atualizou os dados de multas relativas às infrações de trânsito de agosto de 2017. Junto com a publicação, uma surpresa: o sistema agora permite exportar toda a base de dados, multa por multa, com seus respectivos endereços, horários e códigos dos automóveis de infratores.

    O fato não deveria passar despercebido. Por trás dessa singela mas importante atualização, há uma história de embate e também de colaboração entre sociedade civil, poder público e técnicos concursados, que resultou em mais um passo para a transição de uma transparência passiva dentro da municipalidade para uma transparência ativa com relação aos dados de mobilidade de São Paulo.

    Desde o primeiro semestre, a Ciclocidade vem tentando abrir dados referentes à mobilidade ativa em São Paulo, em especial os de fiscalização dos agentes de trânsito e os do Portal de Atendimento SP156. Diante da impossibilidade de acessá-los via Câmara Temática de Bicicleta, Ciclocidade e Cidadeapé passaram a atuar conjuntamente no início de julho para requerê-los via Lei de Acesso à Informação (LAI).

     

    Poder Público finalmente se engaja

    Ambos os pedidos chegaram à terceira instância, mas a diferença entre a Secretaria de Mobilidade e Transportes (SMT) e a Secretaria de Inovação e Tecnologia (SMIT) é que a primeira abriu uma frente de diálogo com a sociedade civil. Em agosto, a ouvidoria da SMT organizou uma reunião conjunta entre Ciclocidade, Cidadeapé e técnicos da Secretaria e da Prodam onde os pedidos puderam ser conversados.

    A reunião teve dois resultados concretos. O mais imediato é que o pedido de LAI pôde ser atendido em sua plenitude. No entanto, um pedido de informações, atende apenas a quem o está solicitando e, embora a Ciclocidade tenha uma forte política de dados abertos, publicando inclusive os dados brutos de suas pesquisas e contagens de ciclistas, há uma diferença clara entre acessar os dados oficiais diretamente do Poder Público e acessá-los a partir de uma organização do terceiro setor.

    Ao envolver os técnicos diretamente relacionados à operação do sistema Mobilidade Segura, um segundo resultado pôde ser germinado. Pouco mais de três meses depois, os técnicos da Secretaria e da Prodam usaram os insumos vindos da conversa para atualizar e modificar o sistema, possibilitando que a informação esteja agora acessível para toda a população, e vinda diretamente da fonte oficial dos dados.

     

    O que mudou exatamente?

    Antes, somente dados condensados por dia (ou mês) podiam ser exportados, e sem os códigos de infratores - o que possibilitava análises, mas não em sua plenitude. A modificação torna possível fazer levantamentos mais aprofundados sobre os locais onde há (ou não) fiscalização, o que está sendo monitorado, e mesmo o que está sendo enfatizado pelos agentes fiscalizadores.

    Como próximos passos, é importante georreferenciar os dados, principalmente os de fiscalização manual, para que possam ser cruzados com os de mortos e feridos no trânsito - é o que Ciclocidade e Cidadeapé farão nos próximos meses. Já os pedidos de LAI relacionados aos dados do SP156, sem resposta na terceira instância, deverão ser levados ao Ministério Público do Estado para análise e parecer.

    Os dados do Painel Mobilidade Segura podem ser acessados em http://mobilidadesegura.prefeitura.sp.gov.br

     

  • Relatório de Contagem de Ciclistas - Av. Radial Leste 2017

    RadialLeste2017 Capa

    Radial Leste
    Quarta-feira, 4 de outubro de 2017
    Das 6h às 20h

    Clique para baixar o Relatório de Contagem em PDF.
    Clique para baixar a Planilha com os Dados Brutos em XLSX.

     

    INTRODUÇÃO

    A Radial Leste é um conjunto de vias que formam um dos principais eixos viários arteriais da Zona Leste, sendo assim, encarregada de comportar um intenso fluxo de pessoas se deslocam diariamente dos bairros da região em direção ao centro da cidade. Lado a lado à via está a linha 3-Vermelha do Metrô de São Paulo, que só no mês de setembro deste ano transportou mais de 29 milhões de passageiros de acordo com o Portal da Transparência da companhia. Trata-se, portanto, da linha de maior demanda do sistema metroviário.

     

    RadialLeste2017 Foto Introducao1

     

    RadialLeste2017 Foto Introducao2

     

    A Radial Leste dispõe de uma ciclovia com 12 quilômetros de extensão total, inaugurada em 2008 pela Companhia do Metropolitano de São Paulo. A ‘Ciclovia Caminho Verde’ liga a Estação Itaquera (Arena Corinthians) à Estação Tatuapé, percorrendo todo o seu trajeto paralela ao muro que a separa do sistema férreo metroviário. Segregada, fica localizada entre os trilhos e uma via expressa de alta densidade de tráfego motorizado, com poucas intersecções ao longo do caminho, o que cria barreiras que dificultam seu acesso e sua integração com a vida urbana do entorno.

    Dada a importância que esse eixo representa à cidade e à alta demanda de deslocamentos que fluem pelo trajeto, escolhemo-lo como ponto de contagem a fim de efetivar um levantamento estatístico de ciclistas que trafegam pelo local. O ponto mais problemático de toda extensão da ciclovia presente no eixo é a chegada ao Metrô Tatuapé, onde a infraestrutura termina abruptamente. É ali onde o ponto de contagem foi situado.

     

    RadialLeste2017 Foto Introducao3

     

    Desde que foi inaugurada há nove anos, a ciclovia traz consigo um grave problema que pode ser aplicado a outras ciclovias da cidade. Trata-se da descontinuidade da infraestrutura, que termina abruptamente numa estação do metrô, colocando os usuários da ciclovia em conflito com o alto fluxo de pedestres que desembarcam dos ônibus e caminham em direção ao mezanino da estação, seja para embarcar nos trens do Metrô ou da CPTM, seja para cruzar a avenida, ou mesmo os trilhos em direção aos bairros localizados ao norte da ferrovia.

    Em seguida, um segundo conflito é gerado. A falta de conexão dessa, que é a principal ciclovia arterial da Zona Leste, com a rede faz com que ciclistas dos mais variados perfis disputem espaço com ônibus do sistema estrutural (veículos com até 23 metros de extensão que percorrem ligações troncais de grande distância) na faixa exclusiva, já que grande parte dos fluxos cicloviários identificados na contagem provenientes da ciclovia seguiam em direção ao centro, trecho que é desatendido pela infraestrutura cicloviária.

     

    RadialLeste2017 Foto Introducao4

     

    A descontinuidade da infraestrutura cicloviária em linha reta de forma a percorrer a própria avenida, dando continuidade ao traçado já existente e proporcionando a ligação mais direta e plana possível com o centro, mostrou-se problemática. Apesar da existência de ligações cicloviárias que percorrem o interior dos distritos do Tatuapé, Moóca e Brás (ainda que estejam incompletas), não é esta a rota natural daqueles que vêm de longas distâncias, o que resultou num reduzido número de ciclistas que tinham a Rua Tuiuti como origem ou destino de fluxos.

    Por outro lado, as interrupções nesse trajeto ocasionadas pela inexistência de ciclovias em alguns trechos ao longo dessa rota, tais como a ponte sobre a Avenida Salim Farah Maluf e o Viaduto Bresser, também podem comprometer o interesse em optar pelo circuito proposto pela área interna dos bairros. Não há sequer ligação direta desse conjunto de ciclovias com a Radial, tendo seu percurso iniciado à fachada do Shopping Tatuapé oposta à avenida, e a rua Tuiuti, que possibilita a ligação entre essa rota e a passarela que dá acesso à ciclovia Caminho Verde, possui mão única de direção.

     

    RadialLeste2017 Foto Introducao5

     

    Outra barreira identificada foi a própria travessia, que só é praticável através de uma longa passarela que dá acesso ao sistema de trens e metrô. Além das interrupções ao longo do trajeto e do próprio acesso problemático, a falta de sinalização indicando a possibilidade de chegar ao centro através daquelas ciclovias também pode resultar em baixa adesão.

    A complexidade da contagem foi justamente em observar os fluxos que subiam a passarela, pois os destinos dessas pessoas eram imprevisíveis e a necessidade de acompanhá-las com o olhar durante todo o percurso até o fim da travessia elevada foi fundamental para que pudéssemos conferir com precisão as origens e destinos daqueles que passaram pelo ponto de contagem.

    Um fator curioso registrado na contagem foi o de ciclistas que vão até o final da ciclovia e, ao se depararem com a descontinuidade da infraestrutura, retornam em direção ao mesmo local de origem, criando um novo fluxo não previsto para o levantamento. Este fluxo é computado no total apresentado nesta contagem, mas não nos gráficos de origem-destino.

    Por fim, vale ressaltar que, apesar do dia ensolarado, a contagem foi realizada numa semana chuvosa, o que pode ter influenciado na quantidade total de ciclistas que passaram pelo local comparada a quantidade total de ciclistas que por lá passam cotidianamente.

     

    Sobre o método

    O método utilizado para a contagem foi desenvolvido pela Associação Transporte Ativo, do Rio de Janeiro (www.transporteativo.org.br). Trata-se de uma planilha com um desenho esquemático do ponto de contagem, com espaços a serem preenchidos com a origem e o destino do ciclista, além de informações complementares, como acessórios, faixa etária, gênero, tipo de bicicleta etc.

     

    LOCAL DA CONTAGEM

    Estação Tatuapé do Metrô, sobre a Radial Leste

    RadialLeste2017 Mapa1

     

    RadialLeste2017 Mapa2

     

     


    RESULTADOS
    NÚMERO TOTAL DE CICLISTAS: 541
    Média de ciclistas por hora: 38,64
    Média de ciclistas por minuto: 0,64
    Número de ciclistas que passaram pelo trecho no período de 14 horas

     

    RadialLeste2017 FluxoCiclistasPorHora

    Horários mais intensos de fluxo de ciclistas:
    Período da manhã: de 7h às 8h, totalizando 89 ciclistas
    Período da noite: de 18h às 19h, totalizando 67 ciclistas

     

     

    RadialLeste2017 FluxoCiclistasPorTurno

     

     

    GRÁFICOS - ORIGENS E DESTINOS

    RadialLeste2017 FolhaContagemResultado

    Ilustração com o total de origens e destinos dos ciclistas.

     

    RadialLeste2017 OrigemDestino Combinados

     

    GRÁFICOS - GÊNERO E FAIXA ETÁRIA

    RadialLeste2017 Genero GraficosCombinados

    Como acontece em praticamente todas as contagens realizadas em pontos com alto risco à vida de ciclistas, a presença de mulheres pedalando no local é baixíssima, ficando no patamar de 2%. O número de adolescentes chega até a surpreender, alcançando 4%, concentrados em uma faixa de horário de saída escolar.

     

    RadialLeste2017 Foto Genero

     

     

     

    RadialLeste2017 FaixaEtaria GraficosCombinados

     

     

    GRÁFICOS - TIPOS DE BICICLETA

     

    RadialLeste2017 TiposDeBicicleta1 GraficosCombinados

     

    RadialLeste2017 TiposDeBicicleta2 GraficosCombinados

     

    RadialLeste2017 TiposDeBicicleta3 GraficosCombinados

     

    RadialLeste2017 TiposDeBicicleta4 GraficosCombinados

     Dado o local da contagem, chega a surpreender também o registro de algumas, ainda que muito poucas, pessoas transitando em skate ou em bicicletas públicas do Bike Sampa.

     

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

     

     

    GRÁFICOS - MODO DE DESLOCAMENTO

     

    RadialLeste2017 ModoDeDeslocamento1 GraficosCombinados

     

    Ainda que a ciclovia da Radial Leste seja lado a lado a uma via expressa, a contagem registrou a presença de ciclistas que dividem a pista com os automóveis, em especial com os ônibus que trafegam na faixa dedicada, que é a faixa imediatamente lateral à infraestrutura cicloviária. É possível que tais ciclistas, ao conhecerem o percurso e saberem que a ciclovia termina no local do ponto de contagem, tenham deixado a estrutura antes para ganhar velocidade.

     

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

     

     

     

    RadialLeste2017 ModoDeDeslocamento2 GraficosCombinados

     

    RadialLeste2017 ModoDeDeslocamento3 GraficosCombinados

     A proporção de ciclistas “na contramão” ou “na calçada” é bastante similar, pois normalmente se referem a ciclistas que vêm do centro, seguindo a linha de desejo pela contramão para conseguir acessar a infraestrutura cicloviária que começa na estação Tatuapé, ou ciclistas que vêm da zona leste e prolongam a segurança da ciclovia pelo trecho de calçada presente na própria estação.


    GRÁFICOS - DADOS COMPLEMENTARES

     

    RadialLeste2017 DadosComplementares1 GraficosCombinados

     

    RadialLeste2017 DadosComplementares2 GraficosCombinados

     

    RadialLeste2017 DadosComplementares3 GraficosCombinados

     

    RadialLeste2017 DadosComplementares4 GraficosCombinados

     

     

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

     

    Realização
    CICLOCIDADE - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo
    www.ciclocidade.org.br
    Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
    e
    Bike Zona Leste

    Coordenadora geral: Tais Balieiro
    Coordenador local: Felipe Claros

    Colaboradores voluntários:
    Adriana Marmo
    Eduardo Magrão
    Domingos Pimentel
    Flavio Soares
    João Alexandre Binotti
    João Bosco
    Lucas Cividanes
    Márcia Ferreira Nogueira
    Marcos de Luca
    Nathan Kotujansky
    Ulisses Marcellus

    Esta contagem foi feita de acordo com metodologia desenvolvida pela
    Associação Transporte Ativo
    www.ta.org.br

     

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

    RadialLeste2017 Foto BicicletaCompartilhada

  • Estão abertas as inscrições para a 4ª Formação em Ciclomobilidade

    Boletim FormacaoCiclomobilidade4 Arte

    Clique aqui para acessar o formulário de inscrição

    A 4ª Formação em Ciclomobilidade acontecerá nos dias 1, 2 e 3 de dezembro de 2017 e está com inscrições abertas até o dia 24/11. Ao todo, serão 25 pessoas selecionadas de acordo com paridade de renda, raça/cor, gênero e regionalidade. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas neste link.

    Este ano, o tema central é Ciclomobilidade e incidência política em São Paulo. A 4ª Formação buscará apresentar um panorama sobre as táticas e estratégias de incidência política na busca por tornar São Paulo uma cidade mais ciclável. Serão oficinas, mesas, debates e encontros com diversos movimentos, ciclísticos ou não que atuam diretamente na defesa de direito à cidade.

    Se você é ciclista e quer participar diretamente de canais de diálogos com o poder público e atuar junto a mídia na defesa da bicicleta como meio de transporte, inscreva-se!

    Como incentivo à participação de ciclistas de diversas regiões de São Paulo, a formação contará com alimentação durante as atividades nas pausas para o café e almoço e com uma ajuda de custo de transporte público para quem precisar. Em contrapartida, participantes devem se comprometer a participar de todo o processo.

    A seleção ocorre entre os dias 25 e 26/11. O resultado será divulgado no dia 28/11.

     

    Sobre as Formações em Ciclomobilidade

    Desde 2009, a Ciclocidade atua em diversos processos na capital paulista, criando e participando de diferentes canais de diálogo, elaborando pesquisas a dialogando diretamente com a mídia, mostrando que a participação da sociedade civil gera transformações importantes no promoção de uma São Paulo mais democrática.

    É com base nessa experiência que foi criada, em 2015, a Formação em Ciclomobilidade. As três edições anteriores mobilizaram cerca de 200 pessoas, entre participantes e facilitadores. Muitas e muitos dos que passaram passaram por elas compõem hoje o quadro de associades da entidade e/ou participam ativamente da cena cicloativista em São Paulo.

     

    Programação

    Sexta-feira (1/12)
    19h às 21h
    Boas vindas: apresentação do programa e de participantes
    Jogo dos Privilégios

     

    Sábado (2/12)
    9h - Recepção dos participantes

    9h30 às 11h - Filme Bicicleta Brasil: Pedalar é um direito e História do movimento cicloativista e a defesa do uso da bicicleta.  

    11h15 às 13h - Mesa: Interseccionalidade em movimentos de direito à cidade

    13h às 14h15 - Almoço

    14h30 às 15h30 - Palestra: Incidência política: experiências de atuação junto ao poder público.  

    15h45 às 17h45 - Mesa: O que estamos fazendo? Um panorama do cicloativismo e da incidência política no Brasil e em São Paulo.

     

    Domingo (3/12)
    10h às 12h - “Rapidinhas”: O uso de dados da bicicleta e mobilidade na incidência política - como os dados auxiliam no debate sobre o uso da bicicleta na cidade.

    12h às 13h30 - Almoço

    13h30 às 15h30 - Treinamento de mídia: Incidência política e comunicação: formas eficientes de se comunicar com a mídia e de produzir conteúdos.

    16h às 17h30 - Mesa: Como mobilizar pessoas em prol da bicicleta/mobilidade ativa.