ciclocidade

Ciclovias: a trajetória de uma ideia – Trabalho Final de Graduação – Larissa Carolina de Almeida Marco – 2016

Ciclovias: a trajetória de uma ideia – Trabalho Final de Graduação – Larissa Carolina de Almeida Marco – 2016

RESUMO
A bicicleta foi assunto corrente, com menos ou mais destaque entre executivo e legislativo, no município de São Paulo. Como muitos a usam para locomoção, outros para o lazer ou mesmo como atividade para saúde preventiva, levou a uma série de proposições sobre qual seu papel no espaço público. O presente trabalho visa responder como a bicicleta ganha força na agenda política por meio da ótica da mobilidade urbana. Para isto foi feita uma pesquisa documental de projetos de leis, leis e decretos desde 1989, conjuntamente com o relatório da Companhia de Engenharia de Trafego (CET) e minha percepção dos acontecimentos durante 2013-2015, trabalhando na Prefeitura Municipal de São Paulo.

Palavras-chave: Bicicleta; Agenda; Mobilidade Urbana

ciclocidade

Política de Mobilidade por Bicicletas e Rede Cicloviária da Cidade de São Paulo: Análise e Recomendações (ITDP Brasil)

Relatório com análise e recomendações sobre a rede cicloviária de São Paulo, elaborado pelo ITDP Brasil.

Usa como base os guias Urban Bikeway Design Guide (NACTO, 2011) e Manual Ciclociudades (ITDP, 2011) e apresenta os resultados da avaliação feita presencialmente pela própria equipe do ITDP Brasil.


Link para a matéria
.

ciclocidade

Mobilidade urbana em São Paulo: aplicação de soluções imediatas e eficazes – Dissertação de Mestrado – Jilmar Tatto – 2016

Mobilidade urbana em São Paulo: aplicação de soluções imediatas e eficazes – Dissertação de Mestrado – Jilmar Tatto – 2016

RESUMO
Este trabalho apresenta o impacto de medidas de gestão como a implantação das faixas exclusivas no tráfego da cidade de São Paulo que, associada à reestruturação semafórica, tem melhorado a mobilidade urbana em São Paulo. Para tanto, traça-se o cenário da mobilidade urbana e, em seguida, analisa-se o quanto a implantação de mais de 400 km de faixas exclusivas nos últimos dois anos impacta no aumento da velocidade média dos ônibus e na redução do crescimento da lentidão do tráfego. A experiência de outras grandes cidades indica que a adesão a novas ferramentas de gestão é alternativa viável para a promoção de avanços qualitativos no transporte coletivo urbano e no transporte em geral, bem como na integração entre modais de transporte motorizado e não motorizado, no deslocamento de pessoas e cargas com mais eficiência e segurança. Por fim, apontam-se outras possibilidades tecnológicas que poderão ampliar os resultados positivos obtidos na mobilidade paulistana.

Palavras-chave: Faixas exclusivas. Tecnologia. Mobilidade urbana.