Ciclocidade encaminha Ofício aos Conselheiros Participativos Municipais pedindo apoio na pressão por ciclofaixas emergenciais

Ciclocidade sugere aos conselheiros e conselheiras participativas municipais que pressionem a gestão pública e defendam a implantação de ciclofaixas emergenciais em SP. Documento traz diversas sugestões, por região, de ruas e avenidas que já poderiam estar recebendo essas novas estruturas provisórias.

São Paulo, 13 de maio de 2020

BAIXE AQUI O PDF DO OFÍCIO 

A Associação de Ciclistas de São Paulo - Ciclocidade - nos termos da Lei Municipal 15.764/2013, Art. 35, II e III, e Decreto 59.023/2019, Art. 3º, I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII e IX, vem por meio desta manifestação pública se dirigir respeitosamente aos Conselhos Participativos Municipais de São Paulo, diante da importância de seus trabalhos e relevantes contribuições para a cidade, sugerir para que solicitem à Prefeitura de São Paulo que, por meio de seus órgãos competentes, promova emergencialmente a instalação de ciclofaixas operacionais nas principais ruas e avenidas dos bairros de São Paulo.

Trata-se, em primeiro lugar, de se incentivar e se garantir o devido distanciamento social nos deslocamentos imprescindíveis. A medida – já testada e aplicada em grandes cidades ao redor do mundo, como Bogotá, Buenos Aires, Quito, Nova Iorque, Seattle, Califórnia, Paris e países como Nova Zelândia e, mais recentemente no Reino Unido, entre outros – , visa fundamentalmente garantir o deslocamento seguro e eficiente de trabalhadores essenciais que foram impactados com medidas de restrição da mobilidade em função da COVID-19. [Covid-19: Mapa mostra cidades abertas a pedestres e ciclistas]

Apesar da principal orientação ser de ficar em casa e manter o isolamento social, sabemos que diversos segmentos - como saúde, logística, mercados, farmácia - permanecem ativos, implicando o deslocamento das pessoas nele empregadas ou dele dependentes.

Em segundo, trata-se de implementar o que já consta do ordenamento legal nacional, com destaque, por exemplo, à Lei Federal n. 12.587/2012, que institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana, cujo Artigo 6º, II, estabelece como diretriz a prioridade de modos de transporte não motorizados sobre os motorizados.

Nesse sentido, é preciso que São Paulo protagonize este importante momento, implemente as ciclofaixas operacionais e outras ferramentas de urbanismo tático - medidas rápidas, baratas, adaptáveis, de baixo custo e alto impacto - para efetivar o acesso democrático à cidade, como consignou também a Lei Federal 10.257/2001, o Estatuto da Cidade.

A análise da Pesquisa Origem e Destino 2017 do Metrô mostra que a adoção da bicicleta como meio de transporte é viável para a maior parte dos casos, principalmente no que se refere à substituição do uso de carros. Segundo a pesquisa, das viagens de automóveis privados, aproximadamente 16% são viagens de menos de 1km. A maior parte das viagens, 51%, são de até 3,5km que é a distância normalmente percorrida pelo sistema de bicicletas compartilhadas da cidade. Das viagens de automóveis privados, 69% são de até 7km, limiar da distância considerada ‘pedalável’ sem grandes esforços - ou em conexão com o transporte público. Dessa forma, é possível a substituição do automóvel pela bicicleta. 

A bicicleta alinhada ao transporte de média e alta capacidade também possibilita o deslocamento mais seguro e viável para maior parte da população que não possui automóvel. Afinal, é a população das faixas de renda mais baixas que mais dependem do transporte coletivo e que estão mais vulneráveis por serem os trabalhadores essenciais e ao se arriscar nos deslocamentos durante a pandemia.

É possível, em tempos de COVID19, fazer com que as pessoas que se deslocam o façam de maneira saudável, segura, limpa, que não provoca colisões e feridos, e que respeita o distanciamento social. Além de que com o devido estímulo a mobilidade ativa, medidas de restrição da circulação de carros como o rodízio e a redução da frota ônibus, não precisam resultar em maior aglomeração no transporte público.

A Ciclocidade esclarece, em tempo, que esta solicitação reforça demandas já alinhadas a outras submetidas ao Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (CMTT), cujo colegiado conta com cadeiras de representantes de ciclistas e que tem feito sugestões também nesse sentido à prefeitura municipal.

Recorremos agora aos CPMs por reconhecer sua importância principalmente no nível dos bairros, distritos e Subprefeituras, onde a realidade acontece e onde as melhores ideias também emergem. Além disso, muitos atuais membros dos CPMs são também ciclistas, conhecendo a legitimidade e necessidade da presente demanda.

Por fim, gostaríamos de já sugerir trechos de vias onde as ciclofaixas operacionais poderiam ser implementadas com facilidade, em vista da diminuição do tráfego, e que beneficiariam imediatamente a qualidade de vida dos moradores e trabalhadores essenciais de São Paulo:

mapa Oficio 32 CPMs

Zona Leste

  • Av. Aricanduva
  • Av. Mateo BeiAv. Jacu Pessego
  • Av. Sapopemba
  • Av. São Miguel
  • Av. Salim Farah Maluf
  • Av. Celso Garcia
  • Av. Zelina
  • Av. Paes de Barros
  • Av. Aguia de Haia
  • Av. José Pinheiro Borges
  • Av. Marechal Tito
  • Estr. Iguatemi
  • Viaduto Bresser (conectando na Paes de Barros)
  • Av. Márcio Beck (conectando Metalúrgicos e Estr. Iguatemi)

Zona Norte

  • Av. Edgar Facó
  • Av. Tomás Rabêlo e Silva
  • Av. Mutinga
  • Av. João Paulo I
  • Av. Inajar de Souza

Zona Sul

  • Av. Senador Teotônio Vilela
  • Avenida Atlântica
  • Av. Ricardo Jafet
  • Av. Prof. Abraão de Morais
  • R. Luis GoisAv. República do Líbano
  • R. Manuel da Nóbrega
  • Av. Indianópolis
  • Av. Lins de Vasconcelos
  • R. Araguari
  • Av. Dr. Hugo Beolchi
  • Eng. Armando de Arruda Pinheiro
  • Av. República do Líbano
  • Av. Santo Amaro

Zona Oeste

  • Av Corifeu de Azevedo Marques
  • Av Vital BrasilRua Butantã
  • Av Teodoro Sampaio
  • Av Rebouças
  • Av Dr Arnaldo
  • Av Pompeia
  • Viaduto Pompeia 
  • Av Dr Alfonso Bovero
  • Rua Heitor Penteado-Cerro Cora
  • Rua Aurélia 
  • Av Imperatriz Leopoldina Ponte do Piqueri
  • Ponte da Freguesia do Ó
  • Ponte do Limão 
  • Ponte Atílio Fontana 
  • Rua Monte Pascal
  • Viaduto Comendador Elias Nagib Breim (viaduto da Lapa)
  • Rua Pio XIAv. Queiroz Filho 
  • Av. Marquês de São Vicente
  • Av. Ermano Marchetti
  • Av. Gastão Vidigal
  • Av. Padre Pereira de Andrade
  • Rua Barbalha
  • Av. Diógenes Ribeiro de Lima
  • Av. Brasil
  • Av. Henrique Schaumann

Centro

  • Rua Anita Garibaldi

Tais sugestões iniciais podem e devem ser ampliadas e melhoradas de acordo com a demanda, o uso em conexão com o transporte coletivo, o fechamento de ruas para os carros e a promoção de ruas abertas para a mobilidade ativa.


Certas e certos de que podemos contar com a atenção e a importante atuação dos Conselhos Participativos Municipais de São Paulo, ficamos a disposição para o que mais couber. 
Atenciosamente,

ass jo pereira

Josivete Pereira - Diretora Geral Ciclocidade - Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.; www.ciclocidade.org.br 

Bogotá:

A capital da Colômbia implantou 117 km de novas vias temporárias para bicicleta, como medida de combate a contaminação pelo Coronavirus. A expectativa das autoridades é reduzir o congestionamento no trânsito, e também o contato pessoal no sempre lotado sistema de ônibus TransMillenio (BRT).

Com uma ampla infraestrutura cicloviária, de cerca de 550 km de ciclovias, Bogotá também conta, aos finais de semana, com um programa que fecha as principais avenidas aos carros, dando lugar às bicicletas.

bogota Oficio 32 CPMs

bogota1 Oficio 32 CPMs

bogota2 Oficio 32 CPMs

bogota3 Oficio 32 CPMs

Berlim tem usado tinta – e balizadores em alguns casos – para demarcar alargamento deBerlim tem usado tinta – e balizadores em alguns casos – para demarcar alargamento deciclovias (foto: BA-FK)

berlim Oficio 32 CPMs

Quito, Equador.

quito Oficio 32 CPMs