Nota pública a respeito da morte do ciclista José Maria Amorim

Às 21h da noite deste sábado (1/8), o ciclista José Maria Amorim fazia seu deslocamento em bicicleta pela Avenida Santo Amaro quando foi brutalmente atropelado pelo motorista de um automóvel e infelizmente não sobreviveu.

A Ciclocidade – Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo vem repudiar e lamentar a morte de mais uma pessoa que optou pela bicicleta como seu meio de transporte.

É preciso investigar a fundo o que aconteceu, especialmente porque as evidências associadas parecem tenebrosas. Questões fundamentais são suscitadas a partir deste trágico ocorrido: por que ainda não há infraestrutura segregada nas principais vias arteriais de ligação entre periferia e centro? Por que os limites de velocidade permitidos ainda são tão altos nas vias arteriais e nas vias coletoras da cidade? Por que há tão pouca fiscalização fora do centro expandido e durante a noite?

Os ciclistas instalarão mais uma ghost bike em São Paulo para simbolizar, mais uma vez, que há o esgotamento deste modelo, que une imprudência, impunidade e morte das pessoas mais fragilizadas na relação de força do nosso trânsito.

Nenhuma morte no trânsito deve ser aceita; nenhuma morte deve ser vista como efeito colateral de um sistema que segrega, oprime e mata tantas pessoas.

 

Ciclocidade – Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo