‘Rádio Estadão’ debate ciclovias em SP; acompanhe

A ‘Rádio Estadão’ vai promover até dezembro uma série de debates sobre mobilidade urbana

O programa Metrópole recebe nesta sexta, às 11h, o diretor de planejamento da CET, Tadeu Leite Duarte, o doutor em Arquitetura e Urbanismo pela USP, Alexandre Delijaicov, e o diretor de participação da Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo (Ciclocidade), Daniel Guth. Ouça ao vivo o debate.


Minuto a Minuto

11h53 - Chega ao fim o primeiro debate de mobilidade promovido pela Rádio Estadão, que teve a questão das ciclovias e ciclofaixas como tema. Bom dia!

11h51 - Ouça o debate aqui.

11h49 - O secretário afirma que os problemas pontuais serão tratados separadamente: "Estamos fazendo ajustes. Ninguém vai ser autuado em um caso como esse, é questão de bom senso. O Código de Trânsito Brasileiro permite exceções por questões de segurança".

11h47 - Ouvinte reclama de falta de diálogo antes da implantação de ciclovias na Rua Teodureto Souto e no Largo do Cambuci. Ela afirma que há uma unidade de educação especial para crianças com necessidades especiais e que a ciclovia atrapalha quando veículos vão buscar as crianças.

11h45 - "O ciclista e o pedestre devem respeitar a sinalização do trânsito do ponto de vista da segurança dele. É preciso fazer campanhas de respeito à sinalização, algo que valha para o pedestre e para o ciclista. Há uma preocupação excessiva neste momento em fiscalizar o ciclista. Por ser um veículo não motorizado, deve haver incentivo e educação", completou Jilmar Tatto.

11h42 - O secretário Jilmar Tatto afirma que não é possível criar uma legislação específica para punir ciclistas infratores. "Estamos treinando a guarda civil metropolitana para nos ajudar a fiscalizar. É um trabalho de fiscalização em um primeiro momento. A bicicleta não tem registro, o ciclista não precisa de habilitação. É uma questão de tempo. Se uma autoridade policial flagrar uma infração, ele vai poder punir", disse o secretário. Ouça o debate aqui.

11h38 - Diferença entre ciclofaixa e ciclovia. "A ciclofaixa tem características de lazer. O que tem segregação física, configura uma ciclovia, que vai estar lá 24 horas por dia, sete dias por semana. A ciclofaixa não tem 24 horas de duração e sem segregação. A convenção nossa é, se funciona o dia inteiro, é uma ciclovia", disse Tadeu leite Duarte.

11h35 - "Estamos trabalhando com um plano de diminuição de velocidade dos automóveis para dar mais segurança aos ciclistas", afirmou Tadeu Leite Duarte.

11h34 - O ouvinte André pergunta que medidas estão sendo tomadas para fiscalizar a velocidade em vias com ciclovias.

11h26 - Jilmar Tatto: "Optamos por um modelo não tão agressivo. Chega a ser perigoso para motos e ciclistas se as 'tartarugas' fossem maiores. Também verificamos que, com o passar do tempo, as infrações estão diminuindo". Ouça aqui o debate.

11h24 - O ouvinte Ricardo Freitas pergunta por que as "tartarugas" de separação da ciclovias das faixas de carros não são maiores, porque ele afirma que muitos carros desrespeitam a sinalização e invadem o espaço.

11h23 - Delijaicov: "Eu uso a bicicleta há 18 anos, pedalo 17 quilômetros por dia. É uma maravilha ver todos os elementos da sociedade encontrando seu espaço. Temos de ter generosidade e afetividade para conviver com as diferenças. Antes de tudo, devemos ver o egoísmo recorrente dos motoristas".

11h20 - "São Paulo tem 1200 mortos por acidentes automobilísticos por ano. Me causa estranheza quando questionam os conflitos entre ciclistas e pedestres. Há casos isolados que merecem atenção, mas é preciso dar atenção ao que merece atenção", disse Tadeu Leite Duarte. Ouça o debate aqui.

11h18 - "Existe um programa em andamento para criar um ambiente de percepção para agir de forma segura, para o pedrestre e para o ciclista. O Código Brasileiro de Trânsito é claro, o modo mais fraco tem prioridade sobre o mais forte", disse Tatto.

11h16 - Os ouvintes João Souza e Elana Wainer perguntam se não devia ter vindo junto com as ciclovias um programa de educação no trânsito para ciclistas, uma vez que o fluxo de ciclistas aumentou.

 

Fonte: Rádio Estadão.