As repercussões na imprensa sobre o programa 'Marginal Segura', anunciado esta terça pela futura gestão João Doria

Nestes últimos dias, a Ciclocidade, em parceria com grupos como Cidadeapé, Bike é Legal e Idec (entre outros), pautou na imprensa o problema da volta das altas velocidades nas marginais Tietê e Pinheiros, publicizada pela futura gestão do prefeito João Doria na última terça-feira (20/12).

Ao apresentar o programa 'Marginal Segura', a futura gestão não apresentou argumentos técnicos para a implantação da medida e também indicou que não haverá audiências públicas para debatê-la.

Conforme comentamos em nossa nota à imprensa, "é a primeira vez no mundo em que gestores anunciam a adoção de medidas de acalmamento de tráfego junto com políticas que promovem a insegurança viária".

Veja aqui um apanhado do que está sendo publicado sobre a volta das altas velocidades nas marginais e o que falamos quando alguém de nosso grupo foi mencionado.

 

19/12

Bike é Legal
Ciclistas e pedestres pressionam MP contra aumento de velocidades nas marginais

 

20/12

Coluna Monica Bergamo (Folha de S.Paulo)
Promotor estadual diz que não vai interferir em velocidade das marginais


MonicaBergamo 20161220

Militantes da área de mobilidade urbana saíram do Ministério Público nesta segunda (19) sem esperanças de conseguir ajuda do órgão para ao menos adiar o aumento do limite de velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros. Elevar o limite é uma promessa de campanha do prefeito eleito João Doria (PSDB). A mudança deve ser implementada em janeiro.

A TODA VELOCIDADE
O grupo levou para a reunião um calhamaço de estudos e dados que vão contra a ideia de aumentar a velocidade. O promotor César Martins, da área de urbanismo, diz, porém, que o Ministério Público não vai interferir por enquanto na decisão e deve esperar o início das medidas antes de tomar qualquer atitude.

 

Revista Fórum
Dória, na contramão do mundo, aumenta velocidade nas Marginais
“Nossa ideia é mostrar como as vias locais não podem simplesmente ser colocadas no bojo das vias expressas, como se todas se comportassem da mesma maneira”, diz o diretor-geral do Ciclocidade Daniel Guth.

SPTV 2ª Edição
Velocidades das Marginais vão aumentar a partir de janeiro
"Inclusive ao Ministério Público, não foi apresentado estudo técnico que justifique qual a razão técnica para aumentar as velocidades nas marginais" - Ana Carolina Nunes, integrante do movimento Cidadeapé

O Estado de S. Paulo
Doria aumenta velocidade nas Marginais para carros em 25 de janeiro
Nocivo. Análise distinta têm as associações Ciclocidade e Cidadeapé, que defendem os direitos dos ciclistas e dos pedestres. Para ambas, o programa tem como foco “remediar os efeitos nocivos” do aumento das velocidades máximas. “Não faz sentido anunciar a adoção de medidas de traffic calming (tráfego tranquilo) juntamente com aumento de velocidade. Em nenhum lugar do mundo se faz isso”, disse Ana Carolina Nunes, da Cidadeapé.

Cicloativistas fazem mapa contra aumento de velocidade nas Marginais
Para o diretor-geral do Ciclocidade Daniel Guth, “as vias locais são absolutamente urbanas, com muito uso de modais de deslocamento, deixando as pessoas em altíssima vulnerabilidade nessas vias”. “Deixaram de ser vias expressas há muitas décadas e não podem mais ser consideradas como minirrodovias.” Ainda segundo Guth, o “desenho” dessas vias já induz o motorista a altas velocidades, o que causa insegurança a pedestres e ciclistas. “Não adianta investir em campanhas e sinalização viária, se a velocidade continua alta. Não há indústria da multa, mas sim uma política de preservação da vida”, diz.

 

Brasileiros
Movimentos pedem ao MP manutenção da velocidade reduzida em vias de São Paulo
“Estamos buscando todas as vias de diálogo com a nova gestão para dar visibilidade às pessoas mais vulneráveis no trânsito, mas vemos que não temos mais opções. Por isso, protocolamos os documentos, para mostrar que existe uma demanda contrária à volta das altas velocidades”, enfatizou Ana Carolina Nunes, representante do Cidadeapé.

Cotidiano - Folha de S.Paulo
Doria cumpre promessa e aumenta velocidade das marginais em janeiro
(Sem citação)

UOL Notícias - Cotidiano
Com críticas a Haddad, Doria diz que limites nas marginais de SP mudam em 25 de janeiro
Grupos de cicloativistas, porém, querem barrar a mudança. Integrantes do Ciclocidade fizeram um levantamento sobre riscos de acidentes de pedestres com a mudança. O relatório será apresentado ao Ministério Público. "Nossa ideia é mostrar como as vias locais não podem simplesmente ser colocadas no bojo das vias expressas, como se todas se comportassem da mesma maneira", diz o diretor-geral do Ciclocidade Daniel Guth.

TV Brasil
Entenda como ficarão as velocidades das marginais a partir do dia 25 de janeiro de 2017
"O que a gente está pedindo é que eles apresentem estudos técnicos, porque até agora a gente não viu nenhum estudo técnico que consiga provar que se pode aumentar a velocidade sem aumentar o número de mortes" - Ana Carolina Nunes, representante da Cidadeapé

Bike é Legal

.be">Velocidades nas marginais vão aumentar
"O que a gente viu é que os ciclistas continuam invisíveis aos olhos do planejamento da CET" - Flavio Soares, Ciclocidade

Rádio CBN
Gestão Doria irá remover ambulantes e moradores de rua das marginais
(sem citação)

O Sensacionalista
Paulistano gastará mais tempo tentando entender novos limites das marginais do que no trânsito
(Sem citação)

UOL Notícias - Cotidiano
Plano de Doria para marginal aumenta risco de acidente, dizem especialistas
(Sem citação)


21/12

Cotidiano - Folha de S.Paulo
Plano de Doria com novas velocidades nas marginais é alvo de críticas

A PÉ E DE BIKE - Presentes no evento de anúncio das novas medidas, representantes de associações de ciclistas e pedestres criticaram o plano de Doria. Em nota que assinam em conjunto, a Ciclocidade e a Cidadeapé afirmam que esta "é a primeira vez no mundo em que gestores anunciam a adoção de medidas de acalmamento de tráfego junto com políticas que promovem a insegurança viária". As entidades reconheceram que algumas medidas de sinalização e o reforço de fiscalização seriam bem-vindos, desde que mantidos os atuais limites de velocidade. "Combinadas ao aumento dos limites de velocidade, no entanto, são inócuas e mascaram os riscos aos quais todos os usuários das marginais estarão mais expostos." As associações questionam ainda o fato de medidas de segurança terem sido anunciadas apenas para 20 pontos de travessia de pedestres das transversais às marginais -que têm mais de 200 pontos para tanto.

Nexo Jornal
Quais são os problemas criados com o aumento da velocidade nas marginais de São Paulo
(Sem citação)

Blog Outra Cidade - UOL
Proposta da prefeitura para Marginais é confusa e perigosa
(Sem citação)


22/12

Cotidiano - Folha de S.Paulo
Marginal Tietê completa 19 meses sem nenhuma morte por atropelamento
"Quero muito que aconteça um milagre e que esse aumento de velocidade não impacte a letalidade dos acidentes", afirma Ana Carolina Nunes, integrante da Cidadeapé (Associação pela Mobilidade a Pé em São Paulo).

Coluna Monica Bergamo (Folha de S.Paulo)
Ativistas planejam entrar na Justiça para barrar aumento nas Marginais

MonicaBergamo 20161222

Associações de mobilidade urbana e de defesa do consumidor vão entrar com pedido de liminar na Justiça para suspender o aumento dos limites de velocidade nas marginais Tietê e Pinheiros. A gestão João Doria (PSDB) vai adotar a medida em 25 de janeiro.

VAMOS CONVERSAR
O principal desejo do grupo, que inclui as ONGs Ciclocidade e Cidadeapé e o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), é que, antes da alteração, a prefeitura seja obrigada a fazer audiências públicas. "É exigência da lei que qualquer mudança dessa magnitude seja debatida com a população", diz a advogada Juliana Maggi, que cuida do processo e quer apresentá-lo no início do ano.

CADA UM, CADA UM
Argumento semelhante –o de que a diminuição das velocidades foi feita pelo prefeito Fernando Haddad (PT) sem consultar a população– é usado por quem defende a volta dos limites mais altos. Os ativistas afirmam, no entanto, que o programa de redução começou com o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) e seguiu a lei.

MAIS CRÍTICAS
O grupo reclama ainda que o futuro prefeito não apresentou estudos balizando o projeto Marginal Segura e que ciclistas foram ignorados. A assessoria de Doria, por meio de nota, afirma que o programa será implementado "com reforço na segurança para os usuários da via, em especial pedestres, motociclistas e ciclistas".

 

Rede TVT



Nexo Jornal
O marketing e a morte
Semana passada, um grupo de voluntários das organizações Cidadeapé e Ciclocidade, que defendem pedestres e ciclistas em São Paulo, fez uma contagem das pessoas que frequentam diversos pontos das marginais. Num dos pontos medidos, perto da esquina da Marginal Pinheiros com uma avenida que ironicamente chama-se João Doria (homenagem ao pai do prefeito eleito), os voluntários contaram incríveis 19 mil pedestres passando ao longo de 12 horas. “As pessoas não têm escolha lá: elas saem da estação de trem e precisam caminhar até os shopping centers e as várias empresas da região”, diz Ana Carolina Nunes, pós-graduanda em políticas públicas que participou da contagem. “Vi muitas mulheres empurrando carrinhos de bebê, muitos trabalhadores e estudantes passando.”


23/12

Cotidiano - Folha de S.Paulo
Idec quer entrar com ação contra aumento de velocidade nas marginais
Pesquisador em mobilidade urbana do Idec, Rafael Calabria diz que o instituto aguarda apenas a posse de Doria para entrar com a ação. "A gente esperava que o projeto Marginal Segura [de Doria] tivesse alguns pontos que pudessem ser elogiados. Mas não, ele se pautou só por sinalização e comunicação, que são o básico. Com velocidade alta, o motorista está em constante risco".

O Estado de S. Paulo
Entidades querem ir à Justiça contra aumento da velocidade nas Marginais
Segundo Rafael Calábria, pesquisador em mobilidade urbana do Idec, a ação civil pública será cautelar e deve ser movida antes do dia 25, a fim de impedir que a medida seja colocada em prática. Além do Idec e da Rede Nossa São Paulo, mobilizam-se também os grupos Cidade a pé, Ciclocidade, Movimento Não Foi Acidente e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB).