Eventos por todo o país celebram a memória e o legado deixados por Marina Harkot

A ativista teve seu nome lembrado em diversas ações que aconteceram durante o fim de semana que marcou o primeiro ano de sua trágica morte

O último fim de semana foi marcado por homenagens à Marina Harkot, cicloativista assassinada em 08 de novembro de 2020 pelo motorista José Maria da Costa Júnior, que dirigia embriagado, em alta velocidade e fugiu sem prestar socorro à vítima. O réu responde em liberdade e será ouvido pela primeira vez em audiência marcada para o próximo dia 24. 

As ações em memória de Marina tiveram início na manhã da última sexta-feira, dia 5, com a inauguração da Sala de Estudos Interdisciplinares – Marina Kohler Harkot, na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. À noite, aconteceu um sarau online, organizado pelo Movimento Pedale Como Marina, iniciativa de familiares, amigos e de Felipe Burato Romero, seu companheiro. No evento ocorreram apresentações de música, poesia, dança, além de relatos de pessoas próximas ou que de alguma forma foram impactadas pelas ideias da pesquisadora.

Marina presente nas cinco regiões do Brasil

No sábado, dia 6, eventos por todo o país celebraram o legado e a memória de Marina. Em São Paulo, os atos começaram ainda à luz do dia, com um lambidaço na Zona Oeste da capital, região em que ela teve sua vida ceifada. Os cartazes trouxeram mensagens com bandeiras levantadas pela ciclista e alertaram sobre a necessidade de redução das velocidades nas vias além da urgência de ações de planejamento urbano com foco nas vidas e segurança das mulheres. 

Às 20h, cerca de 600 pessoas, entre pedestres e ciclistas, se reuniram no bairro de Pinheiros e foram até a região da Av. Paulista. “Quem foi mais próximo sabe que Marina conhecia como ninguém os melhores caminhos da cidade, da Zona Oeste a Leste, literalmente. E fomos à noite porque ela sempre achou pedalar à noite uma delícia”, disse Felipe.

Aline Cavalcante, da Ciclocidade, falou sobre a importância de levarmos adiante as ideias de Marina na luta por justiça e cidades mais humanas: “A pedalada de sábado foi emocionante, ainda estou digerindo o poder daquela mulher. O encontro foi ainda mais especial por poder rever muita gente querida que está nessa batalha conosco há anos, destaco os amigos e cicloativistas do coletivo Bike Zona Leste. Acalmar o trânsito e reduzir as velocidades é urgente! Assim como planejar nossas cidades sob a perspectiva da mulher, da criança e da mobilidade ativa para mais equidade, democracia, acesso e segurança, principalmente pra quem mora nas periferias”, disse. 

Atos similares aconteceram nas cinco regiões do Brasil: ciclistas de Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campo Grande (MS), Fortaleza (CE), Pelotas (RS), Porto Alegre (RS), Recife (PE) e Rio Grande (RS) aderiram ao movimento e foram às ruas de suas cidades para lembrar a luta de Marina. No Rio de Janeiro o evento acontecerá na noite de hoje, dia 08/11. Em Salvador o pedal será no sábado, 13, às 16h.

A Ciclocidade, como associação representativa da qual, além de associada, Marina era também conselheira fiscal, agradece todas as mobilizações realizadas em seu nome. Ela, mais do que nunca, vive!

Créditos das fotos: Priscila Costa | Aline Cavalcante | Jô Pereira